Uma janela aberta para o mundo


No desafio complexo da comunicação, este blogue pretende ser um observatório do quotidiano de uma aldeia do Barrocal Algarvio, inserida no coração da Serra do Caldeirão, acompanhando os ritmos e ciclos da vida em permanente transformação.
Mas também uma janela aberta para a Aldeia Global mediatizada com os seu prodígios e perplexidades.
São bem vind@s tod@s os visitantes que convidamos a deixar o seu contributo, enriquecendo este espaço de encontro(s) e de partilha com testemunhos, críticas e sugestões.OBRIGADO PELA SUA VISITA! SE TIVER GOSTO E DISPONIBILIDADE DEIXE O SEU COMENTÁRIO.

terça-feira, 17 de julho de 2018

CALÇADAS DE FARO, A ARTE AOS NOSSOS PÉS

A Calçada Portuguesa que hoje pavimentam muitas das nossas cidades foi introduzida por carta régia de D. Manuel I, em 1498, no apogeu dos Descobrimentos e conheceu a sua expansão no século XIX.
Em Faro a primeira pavimentação aconteceu em 1855, no que hoje é conhecido pelo Jardim Manuel Bivar e não parou de crescer este movimento "calcificador", atingindo na cidade de Faro cerca de 60 000 metros quadrados, formando um dos maiores percursos pedonais em zona urbana.
Nos anos 60 do século passado sofreu um novo impulso artístico



com os desenhos do arquiteto Ramires Fernandes e mais recentemente com a arte do arquiteto Serrano Santos.
São deslumbrantes alguns dos trabalhos artísticos sabiamente executados com calcário brancos, cinzentos, pretos ou rosa avermelhados, sendo a calçada do Largo do Carmo a maior com cerca de 8 000 metros quadrados.
Vale a pena deambular por Faro para viver a cidade e apreciar com atenção estas maravilhas artísticas a nossos pés.




CALÇADAS DE FARO
Tapetes de cubos reticulares
Arte e saber alinhados
Telas em calcários multicores.
Calçadas que guardam memórias
Registam sombras, itinerários efémeros
Espelham aventuras, mágoas, inquietações
Ritmos da vida pusátil
No alegre cabriolar de crianças
Em passos trôpegos e dolentes;
Falam de gentes, de lutas, de sonhos
Guardam percursos, contam estórias
A quem sabe escutar o silêncio
Ler sinais de tempos e lugares
Adivinhar caminhos incertos
Descobrir vivências e imaginários
Aquelas pontas e cigarro finados
Registos de gestos negligentes
Estas rotas metafórmicas polidas
Rotinas de subidas e cansaços
Descidas de energias renovadas
Brisas de estações revisitadas
Silhuetas embaladas pelo vento
Folhas caídas no chão povoado
Lágrimas de nuvens vagabundas.
Avenidas de movimentos perpétuos
Expressões, tradição e progresso
Identidade, património, cultura
Cidade povoada e fremente
Caminhos de fraternidade e devir
Passos e compassos de esperança
Reinventados na rua das nossas utopias.


sexta-feira, 6 de julho de 2018

AÍ ESTÁ A FESTA DE VERÃO NA NAVE DO BARÃO



Nos dias 14 de 15 de Julho a Associação “Os Barões” vai organizar o tradicional encontro festivo de vizinhos, familiares e amigos.
NO SÁBADO, DIA 14 TEREMOS: 
A QUERMESSE, com as rifinhas e prémios oferecidos por quem quiser  ajudar com prendas e doces.
Este ano o RALI PAPER, passeio alegre de descoberta da Região, foi antecipado  para Sábado, estando a sua partida prevista pelas 16 horas e a chegada, sempre divertida, pelas 19 horas.
Segue-se o jantar para os participantes no Rali Paper e todos estão convidados para petiscar.
O BAILE terá início pelas 21 horas e será abrilhantado pelo jovem acordeonista 
GONÇALO TARDÃO.
NO DOMINGO, DIA 15
Decorrem os Jogos tradicionais, assistiremos em conjunto à final do Campeonato do Mundo de Futebol, e a gastronomia regional para quem quiser jantar no recinto da festa.
Para animar o serão a partir das 20 H, teremos  este ano ZUMBA com o Grupo da Associação Cultural de Salir e a MARCHA POPULAR DE SÃO BRÁS, que nos  vai  presentear com danças e trajos tradicionais regionais.
A FESTA PROMETE, CONTAMOS CONSIGO E COM A SUA FAMÍLIA.




quarta-feira, 27 de junho de 2018

VENEZA DOS AMORES, APONTAMENTOS IMPRESSIONISTAS

ROTEIRO DE VIAGEM 1

VENEZA AQUI TÃO PERTO
Eis a deslumbrante e mítica Veneza
de amores idílicos reais ou imaginários...
Casario com memórias antigas
ali derramado em mediterrâneas águas,
aprisionadas em labirínticos canais
visitados por gôndolas de sonhos.
Formigueiro de gente ávida
de romance e aventuras improváveis,
argonautas com roteiros programados
entre ruas estreitas e sombrias,
basílicas e palácios de divinas artes
na monumentalidade edificada
em pinho corroído pelo tempo.
E no doce embalo das ondas
evocação de viagens intimistas
em aconchego de ventre fecundo...
No entardecer contemplativo
Em "delicioza" companhia
farrapos de Sol carmezim
salpicam nuvens no horizonte
na quietude celestial distante
mergulhando em mar de mistérios.
E pulsátil crepitar dentro de mim
vertigem indomável me assalta
vestida de espanto e maresia
no estranho enleio
de mudas sensações.
Revoada de inquietações
saudades, mágoas e medos
neste devir incerto
desta minha breve e frágil alteridade.



domingo, 24 de junho de 2018

O SÃO JOÃO NA NAVE DO BARÃO REVIVEU A TRADIÇÃO

Manjerico redondinho
O teu cheiro é de encantar:
Lembra-me meu amorzinho
Que tanto quero abraçar.
A Alcahofra é quem diz
E não me vai enganar,
Quem me vai fazer feliz
Quem sempre irei amar.
O cheirinho a alecrim
Desperta minha emoção;
Se sempre gostas de mim
Vais ter o meu coração.
O fogo tem a magia
Como o sol a despertar,
Dá-me alma e energia
E arte para te amar.
Ó meu rico São João
Não te faças esquecido
Cuida do meu coração
E do meu amor querido.
Neste tempo de Verão
A vida tem mais calor;
Toma lá meu coração
Dá-me cá o teu amor.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

SÃO JOÃO NA NAVE DO BARÃO

Os Festejos dos Santos Populares que hoje animam as nossas aldeias, vilas e cidades, têm origem no culto pagão muito antigo por ocasião do solstício de Verão, como momento especial de festa e convívio geralmente associado à fertilidade, à fortuna, à saúde, à prosperidade e à felicidade em amores e casamentos.
A Igreja Católica, tal como fez com o Natal e o Entrudo, integrou na sua liturgia essas festividades dando-lhes outro significado no culto religioso.
O Sol, o fogo, a água, o orvalho, as ervas e plantas são os ingredientes da Festa de São João, onde as sardinhas e a animação musical se conjugam para este momento muito especial nas festividades cíclicas em todo o país.
Serão estes os ingredientes para a recriação desta tradição na noite de São João, promovida pela Associação "Os Barões".
O Solstício de Verão, no nosso hemisfério, acontece no dia 21 de Julho, quando o Sol alcança o ponto mais alto e teremos o dia do ano com maior exposição solar. Na nossa região o Sol nasce às 5h. e 15 m. e terá ocaso às 20 h. e 55m. 
A fogueira de alecrim associa a magia do fogo (o sol crepitando na noite) com o poder profilático da defumação do alecrim, usado desde tempos primitivos, que servirá para afastar as energias negativas. Segundo a lenda, Maria, a mãe de Jesus Cristo teria lavado as roupas do filho que ficaria a secar sobre ramos de alecrim.
Na Nave do Barão mas também noutras aldeias vizinhas, os participantes, onde se destacam as crianças e jovens, devem saltar nove vezes a fogueira de alecrim, com as labaredas e o fumo que acreditando-se que terão um efeito purificador do corpo e da alma. 
Segundo a tradição, os jovens e sobretudo as jovens lançam um sapato para trás das costas e a direção indicada pela ponta da peça de calçado sugere de onde virá o seu futuro a noivo ou noiva.
As formas abstratas do chumbo,derretido em lata colocada na fogueira, poderá sugerir a profissão da pessoa com que irá casar.
A sorte da clara de ovo, colocada em meio copo de água para ser observada na manhã do dia seguinte, pode predizer o futuro através da interpretação imaginativa das formas criadas. Um barco, um automóvel ou um avião significará uma viagem; uma torre poderá sugerir uma igreja e casamento; um berço poderá indicar nascimento; uma forma que se assemelhe a uma caixa poderá ser prenuncio de caixão e morte... 
O manjerico é outra tradição do São João, conhecida pela "planta dos namorados", tem uma fragrância delicada mas que deve não deve ser cheirada diretamente. O vaso de manjerico é geralmente decorado com um cravo vermelho e acompanhado com uma quadra popular.
A alcachofra queimada na fogueira para saber se o amor é correspondido.
Deixamos aqui o convite para a sardinhada de São João...venha até à Nave do Barão, venha reviver a tradição...


domingo, 27 de maio de 2018

FORMAÇÃO EM PRODUÇÃO DE VINHO ARTESANAL


DIAS 9 e 10 DE JUNHO – ASSOCIAÇÃO “Os Barões”
Formador : David Santo
INSCRIÇÃO GRATUÍTA
1º dia - 9 de junho
das 9h-13h formação em sala (associação os barões - Nave do barão)
das 13 às 14h almoço – Galo do Campo*
14h às 16:30h formação em sala
16:30h às 18h visita à vinha do José Manuel e à adega do Hélder
2º dia - 10 de junho
das 9h-13h formação em sala (associação os barões - Nave do barão)
das 13 às 14h almoço- Sardinhas e carapaus grelhados*
14h às 16:30h formação em sala
17h às 18h prova de vinhos e encerramento

Para inscrição e mais informação contactar  Ana Arsénio da IN LOCO:
mail de Ana Arsénio: ana.arsenio@in-loco.pt
Telefone 289840860/ 969987158

quinta-feira, 24 de maio de 2018

PARA QUEM SABER MAIS SOBRE O VINHO


Formação
"Produção Artesanal de Vinho"
9 e 10 de Junho de 2018
INSCRIÇÕES GRATUÍTAS


1-Preparação e vindima
·        Origens e obtenção de vinhos de qualidade
·        Preparação de equipamentos e da vindima
·        Higiene na adega
2- Esmagamento, pisa desengaçamento
·        Adição de SO2 e o seu papel na vinificação
·        Correcção de acidez se necessária
3- Fermentação alcoólica
·        Leveduras e o seu papel na fermentação
·        Maceração pré fermentativa (opcional)
·        Controlo dos açúcares ao longo da fermentação
·        Controlo completo do mosto com exemplos: Grau Brix, pH, densidade
4- Prensagem
·        Separação de peliculas e sementes do mosto líquido
·        Transferências e trasfegas na adega
5 - Fermentação Maloláctica
·        Preparação do vinho
·        Controlo da fermentação maloláctica
6 – Armazenamento/ maturação
·        Correcção de SO2
·        Análise sensorial e a sua importância ao longo do processo
·        Trasfegas adicionais, atestos e a importância de reduzir a exposição do vinho ao ar (oxigénio)
·        Utilização de barricas de madeira
·        Clarificação e filtração
7 – Engarrafamento
·        Higienização de equipamento e material de engarrafamento
9- Informações complementares
·        Vinho de talha artesanal e Vinificações especiais
Local : Nave do Barão e outros locais

Formador: David Santo

Duração: 16 horas ( 8h formação teórico-prática + 8h formação em contexto de trabalho e visitas a adegas)

Inscrições e mais informações:
Associação IN LOCO/ Ana Arsénio
telefone: 289 840 860/969 987 158

Associação “Os Barões” / Joaquim Sarmento
telefone: 962 638 117

quarta-feira, 23 de maio de 2018

ADEUS JÚLIO POMAR... obrigado pelo teu legado cívico e artístico

Perdemos ontem um grande artista português, nascido no Bairro Alto, que nos deixou na Primavera dos seus 92 anos e uma extensa obra artística que atravessou diferentes fases expressivas, nomeadamente o expressionismo abstrato, o neo-expressionismo e o realismo social. Foi o iniciador em Portugal do neo-realismo na pintura, conceito sempre rejeitado pelo artista, por ser completamente contra as etiquetas redutoras.
Ativista político contra a ditadura, desde muito jovem aderiu ao MUD, foi preso político com 19 anos e pintou um extenso mural no Cinema Batalha no Porto, com cerca de 100 metros quadrados, que Salazar mandou destruir.
Foi bolseiro da Fundação Caloust Gulbenkian e como excelente desenhador, participou com ilustrações em inúmeras publicações e livros, tomando parte ativa na oposição ao Estado Novo.
Desde sempre comprometido com a intervenção cívica pela liberdade, justiça social e a democracia, esteve em Paris no período quente do Maio de 68 onde conviveu com artistas de renome internacional.
Deixou-nos um imenso legado artístico disperso por coleções particulares e instituições públicas.






Pintou o retrato oficial de Mário Soares, exposto em Belém na galeria dos presidentes da República.
A sua memória interpretativa está presente no Atelier-Museu Júlio Pomar, na Calçada do Combro, em Lisboa, mesmo em frente da casa onde viveu.
OBRIGADO POMAR POR SETE DÉCADAS DE OBRA ARTÍSTICA E PELO EXEMPLO CÍVICO DO CIDADÃO A TEMPO INTEIRO.

domingo, 20 de maio de 2018

25 DE ABRIL na Nave do Barão

Houve alguém que questionou a oportunidade de evocar Abril em meados de Maio, esquecendo que este momento mágico que mudou as nossas vidas, estará sempre presente no quotidiano de cada um de nós, das comunidades a que pertencemos e de um país que conquistou liberdade e dignidade.
Na Nave do Barão , lembro-me bem de problematizar, junto do meu tio Valente e da minha Tita, a organização de almoços e jantares para agradar aos responsáveis do regime do Estado Novo, (nomeadamente o Governador Civil e o Presidente da Câmara de Loulé), na esperança de que a Nave do Barão viesse a ter benefícios do progresso a que deveria ser direito.
Este ritual, ano após ano, contava com a generosidade e empenho dos residentes, na esperança de que a estrada em estado lastimoso fosse arranjada, a camionete viesse até à aldeia evitando 4 km a pé, chegasse a tão desejada água canalizada e também a eletricidade e a iluminação pública...
Os políticos salazarentos adoravam a gastronomia típica, o famoso vinho da Nave e despediam-se voltando a prometer aquilo que não tinham cumprido nos anos anteriores... Mas foi graças ao 25 de Abril que chegou a estrada alcatroada, a camioneta veio dar a volta no largo criado por iniciativa popular, a eletricidade veio substituir os candeeiros a petróleo, permitindo o acesso a frigorífico e televisão e a água, que tanta falta fazia, veio também com o espírito de Abril.



Tem por isso muito significado a organização de uma sessão com dois dos grandes protagonistas da Revolução, José Piteira Santos e Martins Guerreiro, que deram testemunhos muito interessantes, possibilitando o acesso a informação privilegiada para uma nova compreensão deste momento tão importante para Portugal e a vida dos portugueses.
Devemos estar gratos a Maria Baião que foi a grande promotora do evento, aos dois militares de Abril, ao cantor Álvaro Capela e também à arte gastronómica da Marieta. Este serão cultural com memória histórica foi um momento sublime, graças às quatro dezenas de participantes que deram sentido a este evento. Pena foi que poucos habitantes da aldeia tivessem beneficiado desta autêntica aula sobre a História do 25 de Abril.

quinta-feira, 10 de maio de 2018

25 DE ABRIL, Esperanças mil, no País e na Nave do Barão também

· 


ABRIL esse dia mágico que mudou a vida de um POVO e de um PAÍS vai estar em debate na Nave do Barão no dia 18 de maio, pelas 21 horas, com o capitão de Abril José Piteira Santos e animação musical com Álvaro Capela... Convite para repensar e reviver com testemunhos e canções de liberdade. Amigo maior que o pensamento...TRAZ OUTRO AMIGO TAMBÉM




A propósito aqui está a mensagem de Vasco Lourenço, presidente da Associação 25 de Abril, difundida pela amiga Helena Baião, que será a moderadora deste serão cultural
"É sempre um enorme prazer constatar a existência de instituições como a Associação Os Barões. Nomeadamente quando elas decidem colaborar com a Associação 25 de Abril…
É pois com muita satisfação que, para além de felicitar a referida Associação pela sua actividade em geral e pela iniciativa concreta de evocar o 25 de Abril com um dos mais genuínos Capitães de Abril, o José Manuel Geadas Piteira Santos, sugiro às e aos que possam comparecer que não deixem de o fazer. Valerá a pena, e não se arrependerão de gastar algum tempo para ouvir e conversar com Piteira Santos, sobre a conspiração, a acção concreta no 25 de Abril e também sobre ao tempos que se lhe seguiram.
Aqui fica o convite.
Cordiais saudações
Vasco Lourenço"

quarta-feira, 11 de abril de 2018

VISITA CULTURAL DA ASSOCIAÇÃO "OS BARÕES"


Nos dias 5 e 6 de maio partimos da Nave do Barão rumo a Campo Maior para visitar o Centro de Ciência do Café, com pernoita em Elvas no Hotel São João de Deus. No segundo dia passeio por Elvas com destino ao Museu Nacional de Arqueologia em Belém, para visitar a Exposição Loulé Territórios, Memória e Identidades. A viagem será em autocarro municipal e o preço por adulto 35 €, para custos com alojamento e entrada no Museu do Café. Inscrições abertas, com prioridade para sócios e familiares, no Café Barão, na sede da Associação ou pelo telemóvel 962638117.



terça-feira, 10 de abril de 2018

A DIA DE MAIO ESTE ANO PROMETE NA NAVE DO BARÃO,

Animação, Jogos Tradicionais, Folclore, Dança, petiscos e caracóis e nem vai faltar um equipamento muito solicitado pela condição feminina...casa de banho portátil...

quinta-feira, 22 de março de 2018

ADEUS A MARIA JOSÉ VENTURA

Entre mágoa, lágrimas e espanto rabisquei umas 
quadras que partilho em memória da nossa
tão querida amiga Maria José Ventura.

Trágico acontecimento
Para a Nave do Barão,
Com muita dor e lamento
De partir o coração.
A Maria José Ventura
Tão amiga de ajudar;
Para nossa amargura
Partiu sem ninguém esperar.
O sorriso cativante
Aquele jeito de ser,
Aquele olhar brilhante
Não voltaremos a ver.
No celestial caminho
Que dizia acreditar
Terá o seu lugarinho
Para poder descansar.
Com a eterna saudade
E mágoa na despedida
Guardamos a amizade
E teu exemplo de vida.
ADEUS NOSSA QUERIDA AMIGA…
ATÉ SEMPRE!

domingo, 11 de março de 2018

O BAILE DA PINHA ELEGEU NOVO REI E RAINHA

O tradicional BAILE DA PINHA no Barões este ano foi menos concorrido, talvez porque haviam outros bailes na região mas também porque o tempo assustou alguns possíveis participantes.
A surpresa da noite foi..... o último par a tentar a sua sorte abriu a pinha .. A MADALENA BATISTA  e o seu compadre JOÃO GRAÇA são este ano Rainha e Rei....
Seguiu-se a prova da doçaria feita com a arte e sabedoria de catorze generosas doceiras, acompanhadas com o Porto de Honra.
Rei e Rainha 2018

Rei e Rainha 2017

passagem da coroa aos novos reis

Baronenses ilustres

O Martins e a Belinha 

Rogério e Nídia

Degustação da doçaria regional

Na prova das delícias...



Um sábio amigo

A coroa andou de cabeça em cabeça

Nuno e Soraia animaram o baile